segunda-feira, 7 de novembro de 2011

A CORUJA

Em parte graças à ausência de penachos, a coruja tem um ar mais doce que o mocho. E, como ele, geralmente não constrói um ninho, preferindo escolher como domicílio o tronco de uma árvore oca. Ao contrário dos mochos, muitas espécies de coruja são ativas durante o dia e sua distribuição se estende até o extremo norte do planeta. É o caso da coruja-das-neves (Nyctea scandiaca), encontrada exclusivamente nas tundras das regiões polares.
Essa coruja ártica de plumagem branca, é a ave símbolo do Quebec, no Canadá. Os machos tem uma envergadura de 1,60 a 1,70m e são ligeiramente menores que as fêmeas. Ela caça pássaros e lêmingues - espreitando as presas ou fazendo vôos rasantes durante o dia ou ao cair da tarde. Essa ave possui a audição mais apurada: as penas de seu rosto formam um disco que permite captar os sons e direcioná-los para os ouvidos. Com esse sistema ela pode localizar presas que estão a centenas de metros e escondidas a até 20cm de profundidade sob a neve.
Fonte: The Owl Pages
Ela tem essa plumagem branca para poder se camuflar nas neves do lugar onde habita e assim ter maiores chances de ter sua refeição. Ao contrario das outras espécies de corujas, essa é acostumada com o brilho branco intenso da neve, portanto pode caçar a qualquer hora, mesmo se for de dia. Graças à espessa plumagem que lhe cobre os pés até as garras, essa coruja pode resistir ao frio do extremo norte.


A suindara ou coruja-de-igreja não ulula como fazem os mochos e corujões, mas emite um piado agudo. Pelo fato de ser vista em cemitérios, tem uma reputação demoníaca e aparece sempre como "atriz" nas histórias de fantasmas. É facilmente reconhecida por ter o disco facial em forma de coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário